Arrepios

Arrepios, suspiros, verdades…

Arquivo para a tag “ser humano”

A vida.

A vida atropela.

Às vezes com vento, outras com feno. A vida bate forte como um tambor. A melodia de uma dor atrás da outra. De uma lágrima que cai num lindo dia de sol. De uma lágrima que fica presa nos olhos da depressão. Todas as dores do mundo. O ininteligível. O que não se vê. Todas as dimensões de uma dúvida que paira no ar, como aquela folha miúda que voou longe com a tempestade. Não volta mais.  A vida.

Cada dia mais complexa, algo que transcende as dificuldades da vida adulta. Ser humano é arame farpado. Ser humano é mais humano do que real. A realidade. Ser. Não ter. Ser. A pureza dos sentimentos inatos. A certeza do que foi aprendido. Apreendido em si. O desentender. Todas as tragédias do mundo. O grito que ecoa nas paredes silenciosas da mucosa. O furacão que infla o interior e faz sofrer. A vida.

Não houve preparo, não existem respostas. Humanos, encrustados em pele densa, em sangue vermelho enferrujado, em ossos que balançam. Perdidos. A vida. Derradeira, impetuosa, única.

Muitos são os mitos e poucos os sentidos. Cinco. Menos do que os pecados. A religião que não dá conta. A esperança. Os olhos fechados enquanto o coração lateja. Ainda bem que existem os sonhos.

A vida.

Inexplicável.

A vida.

Caminho irremediável para a morte.

A vida atropela.

tumblr_o5g8b2pvb91u9gb61o1_500

Anúncios

Acostumar-se

Poucas coisas são tão difíceis como se acostumar com algo. Isso porque quando precisamos nos acostumar com alguma coisa, esse algo é diferente, foge ao nosso controle. Acostumar-se com o absurdo, com o mundano, com as variáveis que a vida joga, – na verdade, quase dispara com um canhão em nossa cara – não é fácil. Acostumar-se é difícil porque existe sempre a relação com o outro, com o próximo e o distante, com o ser humano que, em essência, é contraditório e diferente, é rico e diverso em sentimentos e emoções, em um imenso mar turvo de ações.

Acostumar-se com o presente, com o dia de hoje, abrir os olhos, espreguiçar, levantar com sono, escovar os dentes e ir para mais uma batalha.

Acostumar-se com os fatos. Com o fato de que os sonhos infanto-juvenis nada mais são do que pedacinhos de poeira colorida em nosso imaginário. Com o fato de que ser adulto é mais do que um fardinho de contas a pagar, que as responsabilidades vêm e vão na mesma proporção do cansaço, do não saber, do não entender. Com o fato de que caminhamos dia após dia para direções que não sabemos porque seguimos, que não nos explicam o que fazemos aqui na Terra, nem porque não estamos em qualquer outro lugar.

Acostumar-se com a dor, aquela de dentro da pele e aquela dos semelhantes, daqueles que passam fome, que não tem teto, que não sabem escrever o próprio nome, que não podem se relacionar sem interferências tenebrosas. Que não são deixados em paz, por serem diferentes do que é convencional, “normal”, “comum”.

Acostumar-se com o sofrimento, aquele de não fazer o que se quer e aquele de quem tem direitos anulados diariamente, de quem apanha, de quem morre, de quem é histórica e ininterruptamente desrespeitado, de quem sente e sofre ao respirar, por aparelhos ou ares contaminados pelo ódio, pelo desamor, pela maldade, pela riqueza de poucos e a pobreza de muitos.

Acostumar-se que a vida é isso aí, essa coisa que passa pelos olhos em looping, aquilo que dizem as ótimas línguas: “a vida é uma calcinha enfiada no cu”. Acostumar-se com o que está embaixo do nariz, com o frio ou com o calor, com o emprego, com a casa, com o pouco dinheiro na conta bancária, com a grama do vizinho, com a eterna sensação de que estamos sozinhos, com a dúvida de “para onde vamos quando tudo se acabar?”, com as incertezas diárias, com o futuro distante, com o sinal vermelho, com a fila do supermercado, com tudo aquilo que não vale o desgaste.

Acostumar-se é difícil porque não está em nossa natureza. Mudamos, mudamos de novo, nos reinventamos e buscamos mudar sempre mais.

Com algumas coisas deveria mesmo ser impossível se acostumar: lutas que devem crescer cada vez mais, causas essenciais para tornar nossa humanidade, quem sabe um dia, enfim, mais uma humana.

Mas para tantas outras coisas, mediocridades banais, pequenas turbulências que devastam o interior dos humanos mais melancólicos e sofredores, ai que droga de trabalho, nunca vou conseguir concretizar meus sonhos, com essas besteiras todas é preciso acostumar-se?

Navegação de Posts